Você fez Letras? Eu devia ter feito Letras.

23 novembro, 2014
Nossa não acredito que encontro você aqui na livraria depois desses anos todos. Nossa quantos livros! Como você está? E a família? Casou? Não, mas nossa né, o tempo passa rápido, a gente não se vê desde quando? Isso mesmo, do colegial... E a Universidade, o que você fez? Você fez Letras? Que legal, dá aulas de Português? Não? Mas faz o que então? Ah, Literatura. Literatura é uma coisa muito legal. Eu adoro ler. Mas eu não gostava das aulas de Literatura da escola. Essa coisa de ter que ler o livro que o professor mandou. Não, eu sei que não é mais assim... Mas e quando tinha que responder a questão e falar o que o professor queria. Eu odiava Literatura. Mas hoje eu gosto, sabe? Adoro ler. Mês passado eu comprei aquele livro. Sabe aquele? Aquele daquele escritor que foi naquele programa de televisão. Muito bom o livro. Adoro ler. Estou lendo todo dia. Acho que mês que vem eu termino. É um livro bom, mas sempre que eu deito para ler eu fico com sono sabe? Você não tem sono quando vai ler não? Me dá um sono e eu acabo dormindo. E o livro é grande. Mais de cem páginas, nossa como eu fico cansado. Mas adoro ler. Mas então, você só dá aula? Ah, que legal, você trabalhar assim né, com algo que você gosta. Achei que você ia fazer Direito. Não era seu pai que queria que você fizesse Medicina? Imagina, você médica né. Mas professora é legal. Professora. Ah doutora também é? Ah que engraçado, e nem é médica mas é doutora. Nossa seu pai deve ter muito orgulho de você, uma filha doutora. E assim, doutora professora, é isso? Ah, não? Você é crítica literária também? Mas assim, o que você faz? Ah você lê o livro e dá sua opinião? Mas assim, diz o que achou e tal, se gostou ou não? Ah, você diz o que achou mas com o que? Com em-ba-sa-mento. Entendi. Então assim, você dá sua opinião de um jeito que ninguém vai discordar de você, que engraçado. Ah não? Entendi errado? Mas para dar opinião você precisa ser crítico literário? Porque assim esse livro que eu estou lendo, eu tenho minha opinião sobre ele sabe? E nem precisei estudar aí esse tempo todo que você estudou. O que, dois anos né? Ah foi mais? Nossa, o que, quatro? Ah, mais? Deixa eu ver se eu entendi, você fez quatro anos de faculdade, um de especialização, dois de mestrado e quatro de doutorado para poder dizer o que achou do livro? Mas gente, eu não precisei ficar assim esse tempo todo estudando para dizer o que acho do livro. Estranho isso aí que você estuda. Mas eu não entendo vocês não. Então, mais fácil ter feito Medicina, ia ser doutora mais rápido né? Ah não faz essa cara, estou brincando. Acho lindo assim quem estuda para dar aula, sabe? Cuidar dos outros, ensinar os outros a falar direito. Não, eu sei eu sei, você dá aula de Literatura, você não ensina ninguém a falar, entendi. Você fica mandando os alunos decorarem essas histórias chatas. Lembrei, Machado de Assis. Nossa como eu odiava esse cara. Um chato. Nunca consegui terminar aquele livro dele lá, o Iracema. Ah, não é dele? Ah eu confundi. Isso mesmo, José Alencar. Outro chato. Não entendia nada do que ele falava. Não sei porque na escola vocês não mandam ler assim esses livros bons, novos sabe? Tem esse que eu estou lendo. Nossa o escritor é ótimo, e está vivo. Ele foi no Programa do Jô semana passada, você viu? Ontem ele foi na Ana Maria Braga. Ah e teve mês passado o Faustão sugeriu o livro dele no programa. Foi até aí que eu vi e decidi comprar. Pena que é grande, cem páginas é muito e eu não tenho muito tempo para ler sabe? Então assim, podia ser um pouco menor, cansava menos, dava para ler mais rápido. Ah desculpa, é eu também estou com pressa. Mas fiquei feliz em te ver. Aparece lá em casa para eu te mostrar esse livro. Incrível você assim ser professora né, de Literatura né, ter estudado tanto e não conhecer esse autor que eu falei. Mas eu te empresto meu livro, viu? Não preocupa. Eu sei que professor ganha mal né e não dá para ficar comprando livros assim sempre. Até porque vocês tem que ter outras prioridades né? Coincidência te encontrar aqui na livraria. Nossa, adorei te ver. Você vai levar isso tudo? Mas você lê isso tudo? Nossa eu não consigo, ia demorar sei lá dois anos para ler esses livros. Cinco que você está levando né? Não, seis? Nossa. Eu não gasto meu dinheiro assim com livros não. E desse tamanho, nossa. Mas que bom te ver, adoro conversar, adoro vir aqui na livraria. Adoro ler e gosto muito de falar dos livros que estou lendo. Nossa que prazer te encontrar, quero conversar com você mais vezes viu? Para a gente assim trocar ideias de livros, você me empresta alguns, eu te empresto outros. Bom que a gente até economiza né? Às vezes eu prefiro ver o filme, sabe... do que ler o livro, é mais rápido. Mas eu... Eu gosto de falar dos livros que estou lendo, sabe? Assim, nem todo mundo gosta de ouvir, mas eu não, eu gosto de ouvir e falar. Olha, que engraçado, sou um crítico literário hein? Cuidado comigo hein? Nem precisei estudar esses anos todos aí que nem você e oh, já posso roubar seu lugar. Adoro ler, eu devia ter feito Letras. Mas então aparece lá em casa. Vou te esperar viu? Pra gente tomar aquele café. Mas agora estou com pressa também. Mesmo mesmo. Vou encontrar uns amigos, vamos naquele restaurante, sabe? Aquele que inaugurou semana passada, do chef francês premiado. É. Uma baba conseguir reserva, marquei com três dias de antecedência. É caro, mas vale a pena. Ouvi dizer maravilhas sobre o chef. Morou fora, estudou muito. A comida deve ser uma delícia, vale cada cen-ta-vo. Um abraço. Boa sorte aí na fila. Não entendo essa gente que compra livro nas livrarias. Eu venho sempre aqui, mas depois compro na internet. Mais fácil né? Rápido e tal. Abraço. Adorei te ver. Passa lá em casa.

Venha 2015 que eu quero lhe usar



Não me recordo quando foi o último ano em que consegui comprar apenas uma agenda. Eu sempre fui daquelas "fissuradas" em livrarias e papelarias que esperavam novembro/dezembro chegar só para comprar uma agenda nova. Assim como também faço parte - com carteirinha vip - do grupo das que todo ano sofrem na hora de escolher a agenda nova.

E porque sou indecisa ao extremo, ao longo dos anos fui desenvolvendo um terrível hábito: comprava mais de uma agenda para o ano seguinte. Sempre, sempre, com a desculpa de que usaria uma na bolsa e outra na mesa. E sempre, sempre deixando uma das agendas abandonadas antes mesmo de virar o mês de janeiro.




No final do ano passado eu havia conseguido comprar apenas uma agenda. Comprei, inclusive uma cara prometendo que assim não cederia a indecisão/tentação de comprar mais uma. Mas não é que o destino foi tirano comigo e ganhei uma agenda de presente, da minha mãe?

Contra a minha agenda fresca e cara, estava a simples e prática que minha mãe me deu (escolhida por causa do passarinho na capa). Em uma semana já havia se tornado companheira predileta e devo confessar, com orgulho, foi usada diariamente e à exaustão.

De modo que sendo indecisa e amante de rotinas, comprei a mesma agenda para 2015 (Linha Naturalis, da Tilibra). Um pouco ressentida porque não adotaram passarinhos para a coleção do próximo ano. 



Mas eis que surgiu um problema. A agenda é excelente mas é gordinha e como estou adepta de bolsas pequenas (sim, descobri que não carregar o mundo nos ombros é, definitivamente, muito libertador) estou com dificuldades para lidar com a realidade que se impõe: ainda usando a de 2014, preciso carregar a de 2015 para me certificar que não me desorganizarei frente aos compromissos vindouros (nossa, como falei bonito aqui, *abraça*).

Logo, embora estivesse satisfeita com minha nova agenda e jurado amor verdadeiro, amor eterno, precisei ceder a tentação realidade e comprar uma menor para carregar na bolsa durante este final de ano e me certificar de que não bagunçarei o ano que vem.



Agendas serão sempre minha maior preocupação de final de ano! ;)


De como Harry Potter está bagunçando a minha vida

21 novembro, 2014
OU de como eu gostaria de ser menos impulsiva
OU de como vinte e quatro horas é pouco tempo para quem lê
OU ainda
de como eu preferia tê-lo conhecido antes



Como podem notar eu tive uma relativa dificuldade para escolher o título desta portagem. Assim como estou tendo - e continuarei tendo - para escrevê-la. De modo que adotarei a tática que melhor auxilia no processo de escrita quando a dificuldade nos domina: escreverei em tópicos.

1. Como sabem eu finalmente cedi às exigências e trollagens das meninas (Patrícia Pirota e Tatiana Feltrin) e resolvi ler Harry Potter.
2. Para os frequentes aqui já iniciei o projeto de leitura com um vídeo introdutório e minhas impressões do primeiro volume (clique nos links para assistir).
3. Eu realmente gostei do primeiro volume e fiquei encantada com o universo criado pela Rowlling: ele é muito mais fascinante do que vocês falavam.
4. Eu gostaria de ter tido a oportunidade de lê-la quando mais jovem, certamente teria mergulhado nos livros e me envolvido com todos na mesma intensidade que a geração HP.
5. O tópico anterior não significa que esteja impondo idade para a obra, definitivamente não estou. Ler HP com 35 anos nas costas é magnífico e mostra o quanto estamos falando de uma criação literária de peso (clássica, para ser mais teórica).
6. Eu comecei a ler o segundo livro horas depois de terminar o primeiro. Porém, dias depois, a leitura agarrou - não porque estava ruim, mas porque eu estava sem tempo. E agora, quase um mês depois (mas já?) acabei passando outros livros na frente de modo que o volume dois se perdeu na pilha de leituras que eu estava fazendo e fui abandonando.
7. O leve abandono não demonstra, de forma alguma, perda de fôlego ou amor pelo bruxinho. Trata-se apenas de uma variante negativa resultado do hábito de quem lê vários livros ao mesmo tempo.
8. Para os que estão me acompanhando no projeto Diário de Leitura, creio que devo uma importante satisfação: continuarei lendo a série, mas não prometo a vocês que o farei da maneira tão rápida e eficaz quanto muitos estavam esperando.




Então, é isso. O Pedro Sander (leitor mega antigo do blog) fez um comentário que me obrigou a refletir bastante. Ele disse, em meu isntagram, que eu deveria parar de propor muitas metas porque, nas palavras dele: "quando começo a propor muitas metas acabou não finalizando nenhuma".

Eu não fiquei brava. Nem acho que Pedro estava me dando uma bronca, vejam bem. O fato dele ser leitor antigo e me acompanhar ininterruptamente torna-o um grande conhecedor externo e virtual de muitos dos meus hábitos e deshábitos de leitura. Seu comentário me chamou para uma realidade triste: se eu não me organizar nas leituras, vou acabar me enrolando.
Mas também me chama para outra reflexão: não posso nunca deixar que as leituras feitas por hobby se tornem obrigação.

Por isso tenho desfeito parcerias. Por isso não entro em clubes de leitura e, principalmente, por isso evito tanto ceder a tentação de colocar em prática várias ideias que surgem em função do blog. Porque me conheço demais - e vocês também - para saber que o caminho é cruel. O projeto de poesia (Mais Poesia para 2014) não deu certo. O projeto de releitura dos livros de Clarice Lispector (também proposto em 2014) não deu certo. Nem mesmo o projeto de responder as cartas de vocês, deu certo... 
E não quero que meu projeto com Harry Potter se perca no limbo literário da minha biblioteca pessoal.

Continuo com ele e é importante que saibam disso. Mas no meu tempo! Não fiquem bravos comigo! ;)